Tristão e Isolda (teatro)

Nesse mito encontramos um espelho que revela uma realidade que nos bate à porta, alertando-nos para a importância de distinguirmos em nossa cultura o destino do feminino, chamando a atenção para as diferenças reais entre homens e mulheres. Refletimos na montagem sobre o destino do feminino e a modificação de valores do nosso tempo.

O mito denota o fenômeno do amor romântico no ocidente e a forma que nos relacionamos com ele, não significa apenas amar alguém, mas estar apaixonado, o mito relaciona que quando estamos apaixonados, acreditamos ter encontrado o verdadeiro sentido da vida revelado em outro ser humano.

Ao montar esse espetáculo queremos discutir esses valores dos relacionamentos como lidamos com a paixão, com os encontros e acima de tudo com nós mesmo.

O amor cortês da Renascimento Medieval é a ruptura dos casamentos por conveniência, pois valoriza o amor e seu desabrochar. Na idade média os mitos eram contados por trovadores e cantadores que visitavam as aldeias ao redor do Reino e através deles se constituíam novos valores sociais..

Um das ferramentas de pesquisa usada pela equipe será o trovadorismo. Buscaremos na renascença essa estética arquetipica do fazer teatral aproximado o expectador da Idade Média, fazendo ligação com os valores atuais, afinal o mito é uma afirmação fantasiosa que disseminada pode ter fins de dominação, mudança de valores e ideologia entre outras rupturas sociais.
 
Imprimir
<<< voltar