Navalha na Carne
de Plínio Marcos reúne no palco dois grandes nomes do teatro do Paraná:
Regina Vogue e João Luiz Fiani


Estréia na próxima quinta-feira, dia 18 de agosto, no Espaço Teatro Regina Vogue - Shopping Estação, a obra do genial dramaturgo brasileiro Plínio Marcos “Navalha na Carne”. Projeto do empreendedor Nei Mendes em parceria com o Isidoro Diniz produções, “Navalha na Carne” tem a direção de Sílvia Monteiro e Luiz Carlos Pazello e traz um elenco formado por grandes nomes do teatro paranaense, a atriz e produtora Regina Vogue que estará interpretando a prostituta Neusa Sueli, o ator, diretor e produtor João Luiz Fiani no papel do cafetão Vado e o ator e diretor Nei Mendes, que interpretará Veludo.

Com vasta experiência no mundo do teatro, Regina Vogue finalmente irá pisar no palco do teatro que leva o seu nome: “Estou feliz de estar fazendo esse espetáculo. Muito feliz de estar fazendo um personagem tão forte. E finalmente estou estreando no TEATRO REGINA VOGUE” explica Regina. Para João Luiz Fiani a oportunidade de representar Plínio Marcos é uma oportunidade única: “A dramaturgia de Plínio Marcos é contundente. Seus textos são fortes. Intensos. Poder fazer qualquer personagem de sua vasta obra é um presente para qualquer ator. Estou adorando trabalhar com a Regina e com o Nei Mendes. Tenho certeza que o público irá se surpreender com nosso espetáculo” conclui.

“Navalha na Carne” é um projeto de Nei Mendes pela Lei Municipal de Incentivo a Cultura: “Gosto da crueldade de Plínio Marcos. Poder estar em cena nessa montagem está sendo um exercício único. São tipos fortes que se equilibram no fio de uma navalha. A navalha que sangra, maltrata...” conclui Nei Mendes.

O texto “Navalha na Carne” é um dos clássicos da dramaturgia brasileira, seu autor, o genial Plínio Marcos, trabalhou com a simplicidade na escrita e nos relatos que envolvem personagens com expressões verdadeiras e termos obscenos mostrando a situação do país e da crueldade da vida real. Conforme dizia Plínio: “O teatro só faz sentindo quando é uma tribuna livre onde se pode discutir até as últimas conseqüências os problemas dos homens”. Para Plínio Marcos suas peças fazem sucesso porque sua obra fala de coisas simples: “Minhas Peças são atuais por que o país não evolui”.

Partindo desse pensamento “pliniano” de buscar a veracidade na sua visão de mundo, esta montagem de “Navalha na Carne” é oferecida de forma realista, dura, impiedosa, através de uma estrutura de involuções conflituais que habilmente precipitam para um desfecho original e aparentemente imprevisto, mas na realidade, finaliza em uma rígida conseqüência dramática. “Isso é visível no trabalho dos atores, pois utilizam a técnica de interpretação a serviço de emoções brutas, esse texto é um privilégio para os atores” enfatiza a diretora Silvia Monteiro.

Neusa, Vado e Veludo são personagens que vivem um triangulo e comungam a vida viciada da prostituição onde o opressor, no caso Vado, amante de Neusa, o qual tem uma paixão doentia enfatizando a carência desta mulher que ficou entregue a um sistema capitalista selvagem. Ele a explora e a joga em uma lata de lixo social como qualquer material descartável. Já Veludo, faz a ponte de intrigas e poder entre o casal. Como dizia o crítico teatral Décio de Almeida Prado, “O ponto de convergência entre os três é a luta feroz em torno de posições de superiodade e inferioridade”.

O grande mérito da trama é que tudo se expressa com um prodigioso instinto teatral, ou seja, através de situações e ações das personagens que se desenrolam com uma freqüência assombrosa determinando constantes variações na mesma.”Os atores com suas referências conduziram a criação de toda a estrutura cênica do espetáculo”, comenta a diretora.
A proposta desta montagem faz uma adaptação do texto para a realidade em que se encontra o país e o mundo, para estimular uma reflexão sobre os comportamentos e sentimentos de quem discrimina, mas está em posição de poder em relação aos discriminados, e por isso não se expõe da mesma maneira. Ou seja, a sociedade hipócrita que discrimina não tem a coragem do grupo marginalizado de fugir dos padrões determinados por ela, embora também passe por situações semelhantes. “Todos nós estamos sujeitos, em qualquer momento de nossas vidas, o tipo de reação emocional que estes personagens têm”, enfatiza Luiz Carlos Pazello.

Além da proposta de reflexão política, “Navalha na Carne” faz referência sobre o comportamento humano e os sentimentos aflorados dentro de um relacionamento. “Apesar da Neusa ‘estar na lama’ ela ainda tem dignidade e queremos mostrar o que é esta dignidade e como ela se apresenta”, conclui o diretor.

Serviço:

“Navalha na Carne”
Texto de Plínio Marcos
Direção de Sílvia Monteiro e Luiz Carlos Pazello
Com João Luiz Fiani, Regina Vogue e Nei Mendes
A dura realidade da prostituição num universo de crueldade e violência. A história de Neusa Sueli e seu cafetão Vado.

De Quinta a domingo ás 21 horas

Espaço Teatro Regina Vogue
Av.Sete de Setembro, 2775 - Shopping Estação - Piso 2

Informações: 2101-8293
Até18 de setembro
Ingressos; R$ 10.00 (inteira ) e R$ 5.00 (meia) para estudantes e idosos.

Maiores informações visite o site:
www.isidorodiniz.com.br